ArtigosEntrevistas

Inteligência Artificial é o segredo para um recrutamento ágil

Inteligência artificial para recrutamento ágil

Os processos seletivos são uma das operações mais importantes para garantir a saúde de um negócio e o uso da inteligência artificial no recrutamento e seleção pode ser a chave para o sucesso. Isso porque quem faz uma empresa chegar ao topo são os seus colaboradores. Por mais que haja investimento em máquinas, apenas a mão-de-humana é capaz de realizar um trabalho estratégico.

As plataformas que utilizam a IA para identificar os melhores talentos unem velocidade, assertividade e segurança na contratação como os principais benefícios do seu uso. A IA é o segredo para contratar os profissionais certos e reter talentos que vão ajudar a alcançar resultados positivos, superando expectativas.

Relevância do processo de recrutamento e seleção

Na visão de Guilherme Dias, CMO e Co-Founder da Gupy, as pessoas são o ativo mais importante de qualquer empresa atualmente. O que faz uma empresa ganhar do seu concorrente hoje em dia, num mercado tão competitivo é você ter dentro da empresa a pessoa certa. É ter o talento certo dentro do seu negócio e que vai fazer com que ele cresça.

Fazer uma contratação não é difícil. Há centenas de milhares de pessoas buscando uma oportunidade de emprego. O verdadeiro desafio está em encontrar pessoas qualificadas para a vaga, que sejam realmente adequadas ao perfil que a função exige e alinhadas à cultura da empresa.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

E para que isso seja possível, é preciso fazer um bom processo de recrutamento e seleção. Este deve englobar 3 características:

  • Precisa ser rápido, para que o profissional não acabe fechando com a concorrência;
  • A contratação deve ser eficiente, ou seja, não adianta o processo ser rápido, mas a empresa perder o profissional em poucos meses, pois ele não se enquadra na vaga ou nas políticas do negócio;
  • Processos seletivos de qualidade são justos, o que significa que o profissional realmente é escolhido por suas competências, seu perfil e soft skills.

Segredos de um processo de recrutamento ágil e assertivo

De acordo com Carlos Baia, líder técnico do time de inteligência da Gupy, em relação a assertividade, o uso da inteligência artificial para recrutar torna o processo mais justo. O algoritmo presente nos softwares de recrutamento verifica se o candidato tem as características e habilidades relacionadas à vaga.

Como ele não olha gênero, etnia, nem onde a pessoa mora, acaba contribuindo com a seleção de candidatos mais adequados ao perfil da vaga e da empresa. Além disso, quando você usa a inteligência artificial, a empresa encerra em poucas semanas uma vaga que demoraria meses para ser encerrada, com uma chance muito baixa de errar na escolha deste candidato.

“O primeiro ponto é que a gente cruza o texto do candidato com a vaga para ver o match que tem entre currículo e o cargo. O segundo ponto que é que a empresa pode aplicar um teste de perfil em todos os funcionários ou alguns funcionários — geralmente em uma amostra de funcionários —, com isso a gente conhece um perfil comportamental e cultural médio daquela empresa”, conta Carlos. “A partir daí, a gente consegue pegar pessoas que tenham perfil parecido com essas pessoas da empresa. Então é maior a chance de não só ele ser um candidato bom, mas que também vai ter uma boa adesão à cultura da organização”.

Inteligência Artificial é o futuro do processo de recrutamento e seleção

Plataformas que funcionam por meio da inteligência artificial estão em constante atualização. Os algoritmos aprendem com as contratações passadas, ficando cada vez mais inteligentes e eficientes com o passar do tempo.

Segundo Carlos, “assim como a inteligência artificial está revolucionando todas as áreas e vai revolucionar cada vez mais nos próximos anos, recrutamento e seleção não vai ficar de fora. Tem muita coisa ainda que dá para fazer, muita coisa que dá para avançar nessa área e vai ficar cada vez melhor”.

A tendência é que o trabalho operacional, demorado, como a triagem de currículos, seja otimizado. Com a evolução das ferramentas de recrutamento e seleção, as máquinas eliminam perfis inadequados para que o recrutador só receba candidatos coerentes com as necessidades da empresa e da vaga.

Isso significa que a atuação deste profissional será cada vez mais estratégica. Guilherme vai além, e cita uma antiga pesquisa que já previa este cenário: “Hoje nós vivemos um momento de guerra de talentos. Essa é uma expressão que a Mackenzie usou numa pesquisa que ela produziu lá na década de 1990 sobre como seria o mercado de recrutamento e o futuro do trabalho hoje, nos tempos que nós vivemos agora, e ela acertou”.

Na visão dele, para que uma empresa realmente possa se diferenciar da concorrência, ela deve ir atrás dos grandes talentos. Todo mundo quer ter um talento trabalhando na sua operação e é isso que vai fazer a companhia ganhar a competição contra o concorrente.

Dados da utilização da IA no processo de recrutamento e seleção

O uso de IA já é muito comum. Uma pesquisa feita pela Deloitte constatou que mais de 41% das empresas ao redor do mundo — incluindo o Brasil — usam esse tipo de ferramenta desde 2017.

Por meio da plataforma da Gupy, a Eurofarma teve uma diminuição de 42% nos seus processos de recrutamento. Isso comprova o ponto principal de tudo isso: a agilidade e a redução no tempo de seleção

Aplicação da Inteligência Artificial no processo de recrutamento e seleção

A grande maioria dos processos seletivos se iniciam com um currículo: o candidato faz o envio e a empresa avalia.

Ao usar a inteligência artificial, além de todos os dados presentes no currículo, também são usados os resultados dos testes que os candidatos realizam na própria plataforma. O recrutador que entra e avalia a pessoa nos critérios desejados e que foram preestabelecidos.

Todas as informações que entram na plataforma são cruzadas com a descrição da vaga em aberto. Isso acontece porque uma pessoa que às vezes é boa para uma vaga não é boa para outra, e essas ferramentas permitem que isso possa ser detectado. Assim a empresa não perde seu candidato ideal.

“Hoje a gente gera por volta de umas 200 características entre diversas áreas: experiência profissional, formação acadêmica, perfil da pessoa, os interesses dela, os idiomas, cursos, certificações, todas as conquistas que estão no currículo dela e todas as relações que tiver da vaga com currículo. Por exemplo, se na vaga pede inglês fluente e a pessoa tem, isso conta ponto”, Carlos explica.

Análise dos resultados da IA no processo de recrutamento e seleção

Quem pensa que a IA vai descartar o trabalho humano nos processos de recrutamento, está muito enganado. Na realidade, a inteligência artificial veio para humanizar o RH, uma vez que permite que os profissionais gerenciem e avaliem os processos, adequando o que for necessário para a realidade da empresa.

Essa análise pode ser feita de várias formas. Por exemplo, o gestor pode observar que, quanto mais efetivo for o resultado da IA no processo de recrutamento e seleção, menor será o índice de rotatividade da empresa

Além disso, as próprias plataformas trabalham com a função de Analytics, permitindo a análise de dados. Tal processo é fundamental para que os algoritmos possam aprender com a plataforma e configurar processos cada vez mais eficientes.

Conseguir trazer o profissional ideal para a empresa é uma das chaves para o sucesso. Quanto mais aprimorado for o processo seletivo, mais a corporação consegue se aproximar do topo do mercado. A inteligência artificial veio para somar nessas e outras estratégias relacionadas à gestão em pessoas, ressignificando o papel do profissional de RH.

A Gupy foi a primeira Startup do Brasil a utilizar a inteligência artificial para recrutamento e seleção. Por isso, esse algoritmo é um dos mais maduros no mercado: ele já aprendeu muito e continua aprendendo graças a um grande volume de dados.

Este conteúdo é um guest post da Gupy. Entre em contato para conhecer melhor os serviços da empresa.

Publicações relacionadas
Artigos

Tecnologia no recrutamento e o que o futuro nos reserva

Artigos

Sistemas de gestão de aprendizagem auxiliam a aumentar o LTV de empresas

Artigos

Como o Facebook ainda está crescendo?

Artigos

Compaixão e liderança vão bem juntas?