Artigos

Empresas precisam agir ativamente para inserir mulheres em seu quadro de colaboradores

Inserção das mulheres no mercado de trabalho

O mercado de trabalho está em constante movimento e comumente caminha de mãos dadas às novas demandas e necessidades da sociedade. Isso influencia desde os produtos e serviços a serem vendidos até quem são os trabalhadores dentro das empresas.

As mulheres, que por muito tempo ficaram em casa, cuidando dos filhos e da residência, hoje estão conquistando o mercado de trabalho de forma exemplar e precisam de cada vez mais espaço para mostrarem seu potencial e todo o seu conhecimento.

No entanto, ainda é comum que empresas não tenham mulheres em seu quadro de funcionários ou contem com uma quantidade muito pequena de pessoas do gênero feminino ocupando alguma posição dentro do negócio.

A inserção das mulheres no mercado de trabalho se torna urgente: esse movimento está crescendo em todo o mundo, e muitos negócios já mostraram como ter uma mulher em posição de gerência pode ser, inclusive, mais lucrativo.

Há mulheres capazes, mas elas precisam de espaço

Quando se fala sobre a inserção das mulheres no mercado de trabalho não é raro ouvirmos empresários dizerem que há poucas profissionais em seus quadros de funcionários porque não existem muitas disponíveis no mercado.

A realidade é que as mulheres estão crescendo em número e competência e se mostram mais engajadas e determinadas a desbravar o mercado de trabalho, mas precisam de oportunidade e espaço para construírem uma carreira sólida.

É comum encontrarmos processos seletivos que acabam evitando a contratação dessas pessoas. Muito se diz sobre a necessidade de ser mais flexível com mulheres que são mães, ter que considerar a possibilidade de possível afastamento caso ela deseje engravidar ou, um pensamento ainda mais retrógrado, de que a mulher não possui inteligência emocional como o homem para lidar com as demandas e pressões do dia a dia.

As justificativas não param por aqui, mas todas se aproximam em um detalhe: invalidam e incapacitam a mulher e todo o seu potencial. É preciso, no entanto, que as empresas aprendam a caminhar na contramão desse pensamento e entendam que mulheres podem trazer um resultado muito interessante para os negócios, caso tenham espaço para atuar.

A consultora McKinsey fez um estudo que mostrou que, em empresas onde a diversidade de gênero é comum, o crescimento estimado é de até 21%. Um outro estudo, feito pelo FMI, apresentou relação direta entre a diversidade de gênero nas empresas e o aumento da produtividade.

Empresas precisam pensar em ações para a inserção das mulheres no mercado de trabalho

Com tantas mulheres disponíveis e capacitadas no mercado de trabalho, como as empresas podem atraí-las para trabalhar em suas equipes? Criando um ambiente e uma estrutura que abrace mulheres e ofereça um ambiente de trabalho agradável e adaptável a suas necessidades.

Há não muito tempo, grandes negócios e até órgãos públicos não tinham, por exemplo, banheiros femininos separados. Como a contratação era totalmente masculina, não havia necessidade de se preocupar em ter uma estrutura que atendesse à demanda do público feminino. O jogo virou, e as mulheres começaram a tomar esses espaços. Foi necessário, então, investir em uma estrutura capaz de tornar o ambiente mais confortável e receptivo para o público feminino.

As mudanças também precisam vir de dentro da empresa e são, principalmente, culturais. É de extrema importância que a cultura da companhia seja capaz de abraçar mulheres e auxiliá-las a construir uma carreira.

Para isso, é importante deixar de lado todos aqueles preconceitos que são carregados há tantos anos, como: 

  • salários diferentes para pessoas que ocupam a mesma função; 
  • descrença no potencial feminino de atuação no mercado; 
  • crença de que mulheres são mais emocionais e menos racionais; 
  • pressão estética; 
  • discriminação materna.

Consumidores e outras companhias cobram diversidade de gênero nas organizações

E se as empresas relutarem a abrir as portas para mulheres em suas equipes? O mercado cobra. Muitos movimentos de mudanças e adaptações do mercado de trabalho estão começando de fora para dentro.

Um exemplo disso, além da pressão para que empresas tenham quadros de funcionários mais diversos, com mais mulheres, pessoas negras, PCDs e LGBTs, são os novos hábitos de consumo e o crescimento desacelerado. São necessidades que pessoas fora dos grandes negócios começaram a enxergar e estão cobrando para que as empresas se adequem e abracem as mais diversas causas.

O poder de escolha nas mãos do consumidor passou a definir o rumo de vários negócios. Com a era da internet e a fluidez da comunicação e das informações, essas pessoas fazem pesquisas, levantam dados e descobrem, por A+B, em quais empresas gostariam de investir seu dinheiro e fechar negócio: essa companhia abraça as causas que defendo? Essa empresa tem mulheres em sua equipe? Emprega mulheres em cargos de gestão? Apresenta diversidade em seu quadro de funcionários? Trabalha com responsabilidade socioambiental? 

Se o consumidor se identificar com as respostas para a maioria dessas perguntas, ele passa a se identificar com a marca e constrói uma relação de confiança com o negócio.

A inserção das mulheres no mercado de trabalho é urgente e precisa ser considerada por empresas de todos os portes e de todas as áreas de atuação. Mesmo que o negócio ainda se apegue aos preceitos comentados anteriormente, mudar essa mentalidade e enxergar o potencial de mercado e toda a inteligência feminina dentro das empresas é fundamental não só para aumentar a diversidade na equipe como também para crescer de forma contínua e sustentável.

Para saber mais sobre o potencial feminino dentro do mercado de trabalho leia nosso artigo A evolução feminina não para.

Publicações relacionadas
Artigos

Como lutar contra a fadiga de reuniões online

Artigos

Treino em casa é saída para consumidores e empresas

ArtigosPesquisas

Pesquisa do Olist traz faz um panorama do setor de marketplaces e mostra tendências e oportunidades

Artigos

Mesmo com a pandemia, os consumidores estão confiando na sua marca?