Artigos

No meio do caminho tinha uma loja

Pop up stores são estratégia do varejo

Montar um negócio com data determinada para o seu fechamento pode ter soado como algo absurdo há algumas décadas. No entanto, as pop up stores estão aí para provar que é preciso pensar fora da caixa e evoluir para sobreviver em um mercado tão acirrado.

As lojas temporárias, antes vistas apenas como uma tendência, atualmente estão em pleno crescimento entre as empresas de varejo. Não é difícil entender o motivo dessa ascensão.

Elas são parte importante de muitas estratégias de marketing, principalmente daqueles negócios que querem, ou precisam, se aproximar do seu público.

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.
Powered by Rock Convert

Antes tendência, pop up stores são uma forte estratégia de marketing

A ideia de usar uma pop up store como estratégia de marketing tem por objetivo construir maior reconhecimento para marca e usar esse potencial para atrair clientes. Porém, o que esse negócio tem de tão atraente?

Ao contrário do que muitos podem imaginar, embora o modelo pop up esteja em foco nos últimos anos, esse conceito de loja não é uma novidade. Podemos adiantar, inclusive, que é uma tendência que veio para ficar.

Sua articulação teve início com uma das principais varejistas norte-americanas: a Target. A empresa foi pioneira em espaços conceituais pop up, lançando colaborações com estilistas renomados, a exemplo de Isaac Mizrahi.

A primeira explicação para o seu sucesso é devida ao fato de que o subconsciente humano registra memórias visuais por onde passa. Então, se os clientes estão vendo a sua loja — seja no shopping, em uma rua de destaque —, é uma forma de se fazer presente, conscientizar o seu público sobre a marca.

Dessa maneira, a estratégia muito interessante para empresas que ainda estão em busca do seu espaço no mercado, mas, sobretudo, vêm ganhando muitos adeptos entre negócios do comércio eletrônico.

Apesar de o mercado de vendas online se expandir cada vez mais, por consequência, também há um aumento da competitividade, o que torna ainda mais difícil a tarefa de estabelecer conexões fortes com os consumidores — encantar e conscientizá-los sobre os valores gerados pela empresa.

Nesse sentido, uma loja física ajuda a criar uma referência na cabeça das pessoas. Então, no momento de realizar uma compra, a primeira coisa que vem à cabeça é justamente esses lugares que ficam registrados na memória.

Uma pop up store é uma ótima maneira de as marcas potencializarem sua visibilidade e se tornarem referência no mercado mais rapidamente. Hoje, até mesmo os nomes consagrados no cenário empresarial apostam nesse modelo como forma de impulsionar ou promover um novo produto.

Por que cada vez mais as empresas consideram abrir pop up stores?

O aumento da popularidade das lojas pop ups se deve a uma série de fatores, especialmente o baixo risco e alta lucratividade. Por se tratar de um negócio com data para começar e terminar, comprometer-se, por exemplo, com o aluguel de um espaço por 3 meses é menos arriscado que um contrato de 2 anos.

Além disso, as pop-ups também funcionam bem como incubadoras de novos conceitos de produtos. Lançar uma campanha que combina o mundo físico com o virtual para a aceitação de um produto, pode ser mais eficiente que pesquisas de mercado tradicionais.

Em suma, as pop ups se alimentam diretamente da abordagem experiencial, que vai de encontro às necessidades atuais do mercado — proporcionar vivências únicas aos clientes. Logo, os varejistas que quiserem se concentrar em atrair as novas gerações de consumidores precisam embarcar nessa ideia o quanto antes.

Outro fator que deve ser considerado nesse contexto é a ascensão das mídias sociais, juntamente da mudança de perfil dos consumidores. Deixou-se para trás a propriedade em troca das experiências — e isso teve um impacto significativo na maneira como as marcas comercializam e vendem seus produtos.

De um modo geral, esse modelo de negócio é capaz de transformar a sede por novas experiências do consumidor moderno, em oportunidade de capitalização. E isso é muito positivo para empresas de qualquer ramo.

O que se percebe é uma grande variedade de marcas adotando a cultura pop up: 

  • empresas de comércio eletrônico que buscam estabelecer uma presença física;
  • marcas de conteúdo que almejam criar afinidade com outros negócios;
  • varejistas do mundo virtual com o objetivo de gerar tráfego e conversões online.

Companhias que são case de sucesso em pop up stores

A prova de que as pop up stores são mais que uma tendência de sucesso é que marcas já consolidadas estão usando cada vez mais esse formato para atingir o seu público, sobretudo para criar lojas que aproveitam o poder e as facilidades tecnológicas dos smartphones. A seguir, alguns exemplos.

Nike

O sistema de pop up da Nike funciona por um aplicativo, o SNKRS da Nike. Por meio dele, a empresa lançou produtos acionando seus clientes em diversos locais públicos, como shows e parques. 

A estratégia consistiu em convidar algumas pessoas a digitalizar menus, ou tirar fotos de itens específicos, a fim de desbloquear colaborações de novos produtos.

O intuito da Nike ao usar o local para acionar experiências de compra é ir além da loja física para alcançar os clientes. Isso gera uma interação muito diferente, da qual o público deseja fazer parte.

Havaianas

A Havaianas é outra empresa já consagrada no mercado que resolveu proporcionar uma experiência diferenciada ao seu público, e também chamar a atenção de potenciais consumidores.

A empresa montou um mural de compras baseado em Inteligência Artificial, no calçadão de Venice Beach, Califórnia, provando que é possível literalmente colocar uma loja em qualquer lugar.

A proposta foi expor uma obra de arte para direcionar clientes à sua loja online — quem digitalizava a criação artística com o telefone era direcionado para a loja online da Havaianas e recebia um par de sandálias que combinava com a cor dessa seção.

Sephora

Mesmo sendo uma marca de cosméticos superconhecida no mundo, a Sephora também entrou na onda das pop ups para fazer um teste de expansão das suas lojas em São Paulo.

O local escolhido para a primeira experiência no formato foi o Shopping Center Norte. Até então, a marca não tinha nenhuma unidade na zona norte da cidade, e esse foi um excelente termômetro para saber se valia a pena ter uma instalação definitiva na região.

Museu tecnológico – SP

O Museu Tecnológico foi um projeto elaborado em forma de loja pop up e que aliava dois interesses distintos: a divulgação de um prédio ainda em fase de construção e, ao mesmo tempo, a popularização da história do bairro em que estavam localizados, o Ipiranga.

Como resultado, o empreendimento teve 80% da sua capacidade vendida em 5 semanas. Sem dúvida uma foi experiência bem-sucedida inserir a empresa naquela região e transmitir credibilidade ao público.

Kanye West: The Life of Pablo

A pop up do rapper Kanye West é uma prova de que não existem limites para a criatividade nesse tipo de negócio. O artista procurava um ponto de venda para sua coleção Saint Pablo, na cidade de Rozengracht, Amsterdã. Ele precisava de uma solução que pudesse ser configurada rapidamente e que suportasse processar centenas de pagamentos. 

Com o apoio da Lightspeed, em apenas 48 horas foi criada uma loja pop-up transacional, cujos resultados foram muito bem-sucedidos.

Erros facilmente evitáveis nessa estratégia

O primeiro erro facilmente evitado com a estratégia pop up é com relação aos investimentos — aplicar o capital em ações eficientes, que fortalecem a imagem da marca e potencializam os seus ganhos.

Com as lojas temporárias, as empresas conseguem atingir objetivos bem específicos, sem mexer muito no seu orçamento. Por exemplo, a construção de um único espaço grande requer mais tempo, dinheiro, estudos de viabilidade, e nem sempre é capaz de atingir a parcela de público desejada. O alcance dessa companhia seria bem maior e diversificado caso as localizações fossem mais fragmentadas.

Nesse cenário, também é possível testar ideias inovadoras antes que elas sejam concluídas. Assim, conforme a reação do público, é possível saber se elas estão seguindo a direção certa, ou identificar o que precisa ser melhorado — o que evita prejuízos, dores de cabeça e retrabalho. 

As pop up stores funcionam apenas para o varejo?

Predominantemente, sim. No entanto, embora no Brasil as pop up store ainda estejam muito ligadas ao varejo, esse conceito diferente vem recebendo projetos de todos os tipos de marcas, e é uma referência cada vez mais encontrada no mundo inteiro. 

É uma proposta que se encaixa muito bem aos mais variados objetivos. Portanto, a tendência é aproveitar os seus benefícios em outras áreas. Existem pop up stores sendo lançadas no mercado imobiliário, por exemplo.

Acima de tudo, as pop up stores são uma forma totalmente inovadora de as empresas fazerem negócios e os relacionar à sua audiência. A grande vantagem é que essa ferramenta é bastante flexível e se adapta aos mais variados segmentos.

Com objetivos bem-definidos e um planejamento adequado essa é, sem dúvidas, uma excelente alternativa para os empreendedores que desejam se manter alinhados aos novos rumos e perspectivas do mercado.

Conheça também a estratégia direct-to-consumer que também pode impactar a visibilidade e o sucesso da sua marca.

Publicações relacionadas
Artigos

Fala que eu te escuto

Artigos

O líder que não continua a aprender está fadado a fracassar

Artigos

Metas da ONU continuam a ser uma preocupação de grandes empresas

Artigos

Comunidade LGBTQ+ sabe o que quer das marcas e também sabe cobrar