Artigos

Tecnologia no recrutamento e o que o futuro nos reserva

Mulher sorrindo trabalhando em um tablet

As mudanças no processo de recrutamento tradicional para o formato digital ocorrem há anos. Mas após as transformações repentinas no cenário econômico global, emque a adaptação rápida e certeira tornou-se fundamental, essas mudanças têm acontecido de forma acelerada.

Esse contexto agilizou o caminho da área para um futuro mais tecnológico e digital. Já sabemos, por exemplo, que a inteligência artificial no recrutamento é forte influência em como as empresas irão recrutar e selecionar talentos nos próximos anos.

Mas a mudança não é apenas tecnológica: o fator humanitário terá grande impacto e sofrerá evoluções no futuro do recrutamento.

Em que pé está o recrutamento?

Em 2020, parte das empresas foram forçadas a adaptar seus processos de recrutamento. Por conta da pandemia ocasionada pela covid-19, entrevistas, testes e aplicações para vagas não puderam mais ocorrer de forma presencial. Dessa maneira, o modelo digital foi adotado às pressas pelos setores de Recursos Humanos de todo o país.

Mas a digitalização desse processo, que era encarada como uma solução momentânea, mostrou-se como forte aliada estratégica. Afinal, com um processo 100% online, é possível encontrar profissionais de todo o país, aumentando a diversidade empresarial, melhorando o alinhamento e agilizando a seleção de talentos em muitas horas.

“O RH é uma área super estratégica, com diversos dados que podem ser trabalhados, e que cuida do maior ativo da empresa, que são pessoa. Mas sempre esteve ‘de lado’, e as tecnologias ofertadas para essa área eram muito complexas, engessadas, sem preocupação com usabilidade, uso de People Analytics”, analisa Mariana Dias, CEO da Gupy.

Atualmente, o recrutamento passa por um momento de transição. Muitas organizações, além de estarem voltando a contratar, mudaram também seus objetivos estratégicos. Isso fez com que o mercado exigisse por perfis específicos e extremamente alinhados a cultura empresarial.

Nesse sentido, o recrutamento tem migrado para o modelo digital para suprir essas necessidades estratégicas das empresas de forma ágil e eficiente. E, além disso, também é a forma que o RH encontrou de dar mais visibilidade aos candidatos, ao mesmo tempo que melhora a experiência de seleção.

Visibilidade essa que é uma dor já apontada pelos candidatos. Segundo pesquisa da PwC, Future of Recruiting, 65% dos candidatos gostariam que as organizações tivessem um painel para que pudessem ver onde estão no processo. Além disso, 44% dos candidatos disseram que estão abertos para usar opções de automação e tecnologia para pontos de contato de rotina e para obter informações durante o processo de recrutamento.

Para qual direção o recrutamento caminha

Os acontecimentos de 2020 evidenciaram as necessidades de um recrutamento mais ágil, humano e certeiro. E para isso, além de tecnologia direcionada para a resolução das dificuldades do RH, é também necessário construir uma experiência valiosa e uma cultura forte e relacionável.

Nesse sentido, o RH tem direcionado seus esforços para construir algo duradouro, eficiente e com propósito. Há tempos o setor percebe uma mudança no comportamento dos candidatos: salário não é mais o fator-chave de decisão, agora valores intangíveis, como cultura, ambiente de trabalho e liberdade, também possuem fundamental.

Mariana Dias reflete o papel da tecnologia nesse processo: “A cultura das empresas têm se modificado muito rápido. Existe uma adaptação nesse momento para o online, mas há também algumas mudanças. E a inteligência artificial vem com um suporte para detectar essas modificações e fazer ajustes já no processo seletivo”.

Dessa maneira — e como em tantas outras áreas e setores— , o recrutamento tem entendido que só é possível ganhar em agilidade sem perder em eficiência utilizando de tecnologia. Por isso que, nos últimos anos, vimos um grande crescimento do uso de I.A. em processos seletivos.

Segundo a Gartner, 17% das organizações já utilizam soluções de RH baseadas em inteligência artificial e outros 30% planejam fazer o mesmo até 2022. Isso nos mostra que o setor está em busca de:

  • automatizar trabalhos manuais;
  • utilizar dados avançados para People Analytics;
  • reduzir custos e aumentar agilidade dos processos;
  • melhorar a experiência dos candidatos e colaboradores.

A tecnologia e a humanização do recrutamento

Para muitos profissionais de RH, tornar o setor mais tecnológico para humanizá-lo pode parecer algo paradoxal. Mas é importante entender que a tecnologia não deve eliminar os pontos de contato que um RH possui com as pessoas: na verdade, deve intensificar.

Atualmente, em todo o setor do RH, mais precisamente na área de recrutamento e seleção, existem diversos processos que demandam muito tempo dos profissionais. Muitas vezes de pouco valor, eles roubam de um profissional de recrutamento o tempo que poderia ser dedicado diretamente às pessoas.

Quando há um preocupação demasiada em como recrutar, acaba-se não priorizando a qualidade desse recrutamento. Sendo assim, questões relacionadas à experiência do processo de seleção, alinhamento cultural e estruturação das entrevistas ficam em segundo plano.

E são essas ações que são deixadas de lado possuem grande impacto nos resultados de recrutamento. Segundo a pesquisa da PwC, 49% dos candidatos já recusaram uma oferta de emprego por causa de uma má experiência de recrutamento.

Mais estratégico, menos operacional

Até hoje, o recrutamento tem sido muito reativo. Agora, é preciso tornar mais estratégico todo o setor. Por isso, é fundamental investir em tecnologia que faça o trabalho duro pelo RH.

Boa parte da triagem e seleção de candidatos já pode ser feita com o auxílio de uma inteligência artificial. Essa tecnologia, quando bem desenvolvida, é capaz de reduzir vieses e discriminações contidas nos processos, tornando a seleção mais justa e diversa.

Pessoas são pilares

É mais relevante ter um RH focado em retenção e em gerar boas experiências do que apenas em processos manuais, porque essa é a base de uma cultura forte: pessoas engajadas e que abraçam o propósito da empresa.

“A área de Gente e Gestão tem que trazer isso pra diretoria. Porque é muito fácil só falar de número e performance, mas se as pessoas não estiverem bem, a performance não vai acontecer”, reforça Stefanie Ferracciu, diretora de Gente e Gestão da Gupy.

Sendo assim — e mais do que nunca —, pessoas estarão no centro da estratégia do RH. A partir de agora, é preciso pensar em como construir relacionamentos duradouros e como aproximar os profissionais do propósito da empresa de forma genuína.

Para o recrutamento, abraçar novas tecnologias é um passo significativo para uma área mais certeira e eficiente, ao mesmo tempo humana e participativa na estratégia da empresa.

Este conteúdo é um guest post da Gupy. Entre em contato para conhecer melhor os serviços da empresa.

Publicações relacionadas
Artigos

Sistemas de gestão de aprendizagem auxiliam a aumentar o LTV de empresas

Artigos

Como o Facebook ainda está crescendo?

Artigos

Compaixão e liderança vão bem juntas?

Artigos

A Mídia Out-Of-Home durante o coronavírus